BandForense: CSI nos 9os anos!

Investigador registrando a cena do crime.

Você sabia que o estudo do padrão no qual o sangue  se espalha no momento do crime revela muitas informações sobre como esse  crime aconteceu? Por mais desagradável que seja lidar com isso, quando um crime resulta em sangue derramado, é ele que funciona como uma das  evidências para os investigadores.

Você sabe qual é o seu tipo de digital? A identificação de impressões digitais,  também conhecida como dactiloscopia,  é o processo de comparar impressões digitais recolhidas na cena do crime com as de um suspeito para determinar se são do mesmo dedo.

Você sabe como abordar uma cena de crime e quais evidências coletar? O objetivo da fase de coleta de provas é encontrar, reunir e preservar todas as evidências físicas úteis para reconstituir o crime e identificar o criminoso, fazendo com que ele seja levado ao tribunal.

Se você gosta de Ciências e de seriados como CSI, Law and Order, Criminal Minds e até mesmo de filmes de mistério como Zodíaco e outros , como os do famoso diretor Hitchcock, então você deve conhecer a turma do BandForense.

O BandForense é um projeto anual do Colégio Bandeirantes e dele participam os  alunos selecionados dos 9os. anos orientados pelas professoras do Departamento de Ciências : Cristiana, Lúcia, Thaís e Marta.

Este projeto aborda conhecimentos das Ciências Forenses e acontece  com muitas atividades práticas, como a reconstrução da cena do crime, a coleta de evidências,  as análises das provas coletadas e as posteriores conclusões para elucidar cada caso proposto de investigação.

As atividades práticas desenvolvidas abordam os conteúdos das ciências em geral, passando por áreas da Biologia, Física, Química, Matemática, entre outras.  Nas fotos publicadas você terá uma ideia geral de algumas atividades realizadas pelos próprios alunos  como por exemplo, tipagem sanguínea, estudo da pele, densidade, refração, trigonometria, etc.

As atividades ocorrem às quartas-feiras no período da manhã.

 

O BandForence foi iniciado em março deste ano com 20 alunos selecionados, que iniciaram o Projeto  como IT´s (Investigadores Trainees).

Após capacitações teóricas e práticas, avaliações e soluções de casos criminais propostos, os alunos investigadores IT´s passaram para a categoria seguinte de investigadores IJ´s (Investigadores Juniores).

No segundo semestre, nossos investigadores  IT´s  já preparados para resolver casos mais complicados, continuarão evoluindo e contarão com mais um apoio importante: o perito forense Julio de Carvalho Ponce do IC (Instituto de Criminalística do Estado de São Paulo),  especialista na área de análise de fármacos, que apresentará a carreira forense no Brasil, relatando casos  famosos e atividades práticas para o grupo todo.

Em 2013 teremos novos candidatos a investigadores!!!

Você será um deles???? Pense nisso.

 

Compartilhe:

CSI na 8a série

Baseado no popular seriado de televisão, a 8a série trabalhou este ano com análises de DNA para descobrir paternidade em uma disputa, apanhar no flagra um contrabando de araras filhotes, investigar quem foi o assassino e resolver um caso de herança. Os jovens investigadores trabalharam diligentemente, sem descanso, até resolver o seu caso. Cada grupo resolveu um caso e, no final da aula, trocaram experiências e discutiram suas conclusões.

Um dos alunos falou que no começo achava que era muito difícil, mas logo pegou o jeito e resolveu tranquilamente o problema. A ciência forense não pareceu mais algo tão distante.

Veja algumas fotos da aula:

dsc04006small

dsc04007small

dsc04011small

dsc04013small

Compartilhe:

Nanociência e nanotecnologia – pesquisa de ponta entra na sala de aula

nanotechnology_resized2

Durante o congresso NSTA, várias tendências no ensino de ciências ficaram claras. Muitos materiais didáticos e atividades curriculares agora incluem assuntos de ponta como biotecnologia, ciência forense, sustentabilidade, aquecimento global e nanotecnologia. Além desses assuntos, a própria estratégia de ensino de ciências aponta para a criação de um curso mais investigativo, baseado em cenários, onde os alunos passam a assumir papéis do “mundo real”, aplicando seu conhecimento em situações autênticas.

Ao estudar nanotecnologia, por exemplo, os alunos exploram de maneira concreta o conceito de escalas, proporções, modelos, e aprendem através de simulações concretas como funciona um microscópio atômico, a laser ou magnético. É a pesquisa de ponta chegando à sala de aula, mostrando que a ciência está ao alcance de todos!

Compartilhe: