Roseli de Deus Lopes, professora da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, fala sobre a importância da Feira de Ciências

Publicado em 19/10/13
Por Juliana Reimberg
Roseli de Deus Lopes é professora da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo além de coordenadora geral e criadora da FEBRACE (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia) que busca estudantes interessados nas áreas científicas com o objetivo de instigar a comunidade em geral a entrar em contato com inovações tecnológicas. Roseli também é mãe do aluno do Band Leandro Zuffo Lopes e atuou em anos anteriores como avaliadora da Feira de Ciência e Tecnologias do Colégio Bandeirantes. Neste ano, visitou os projetos para acompanhar a evolução da Feira.
Confira abaixo uma entrevista exclusiva com Roseli de Deus Lopes.
Como foi a sua experiência como avaliadora na Feira de Ciências e Tecnologia no Colégio Bandeirantes nos anos anteriores?
Roseli: A experiência de avaliadora é bastante interessante, mas traz uma responsabilidade grande. Você precisa identificar os pontos positivos e os pontos que necessitam ser melhorados. Nesse ano, eu vim apenas como visitante para ver como tem sido a evolução da feira. É muito interessante, pois percebe-se que do ano passado para esse houve muitos avanços. Os trabalhos apresentam uma maior profundidade e os grupos prestaram uma atenção mais especial ao diário de bordo que é aquele registro cronológico. Sinto que o envolvimento dos alunos neste ano foi muito maior. Fazer projetos de verdade, descobrir como algo funciona, e até, de repente, criar uma solução nova são coisas que fazem com que o aluno tenha um outro relacionamento com o conhecimento: a escola fica mais interessante.
Qual a importância da feira para a escola?
Roseli: A feira é um instrumento pedagógico poderoso pois ela é um momento de socialização entre os atores da escola e também da escola com a comunidade. Além disso, os alunos, percebendo o interesse das pessoas no trabalho que eles estão desenvolvendo, passam a ter um outro comportamento no dia-a-dia com a escola. Eles passam a fazer conexões entre o seu trabalho e as matérias aprendidas no colégio. A feira é um investimento de tempo e dinheiro muito bom. Os estudantes também desenvolvem importantes habilidades comunicacionais.
E o público? Qual é a importância deles visitarem a feira?
Roseli: Os visitantes acabam aprendendo muito com estes jovens. O público muitas vezes é surpreendido por temas que talvez não fosse estudar sozinho, pelos quais não se interessaria. Outro ponto importante é eles conhecerem a própria escola, tanto a sua estrutura quanto o conhecimento que tem sido transmitido para os alunos. As feiras de ciência são um momento de grande visibilidade para escolas que devem sempre investir nesse tipo de projeto
Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!