Treinamento de Primeiros Socorros – 8os. anos e CP1

Alunos treinando carregar paciente em maca.

Como parte da proposta da disciplina de Ciências nos 8os. anos e CP1 que tem como objetivo conhecer o próprio corpo para o exercício do autocuidado e, considerando o elevado número de mortes ou sequelas que ocorrem no mundo pela ausência ou ocorrência de erros e demora no atendimento pré hospitalar, após três bimestres estudando os sistemas do corpo, os alunos dos 8os. anos e CP1 participaram, no 4º. Bimestre, de uma série de treinamento em Primeiros Socorros.

Acompanhados por seus professores de Ciências, Lúcia, Mariana e Waldir, os alunos receberam material didático específico e assistiram a uma palestra inicial, ministrada pela equipe do COEPEM (Centro Ortopratika de Ensino e Pesquisa em Emergências Médicas) sobre os principais acidentes que ocorrem no Brasil, como poderiam ser evitados e como proceder no primeiro atendimento.

Nos treinamentos práticos os alunos receberam kit de Primeiros Socorros e aprenderam as técnicas de imobilização e transporte da vítima de traumas, além da prática da Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) em caso de parada cardíaca, com uso do Desfibrilador Externo Automático (DEA).

Treinando primeiros socorros.

Os alunos aprovados no curso teórico e prático receberam a carteirinha de Socorrista Mirim, certificado pela American Heart Association, com validade de 02 anos.

Fazendo massagem cardíaca no boneco.

 

 

 

É importante lembrar que, quando corretamente executados, procedimentos simples são capazes de salvar vidas e auxiliar nos cuidados com a vítima.

Esperamos que os conhecimentos sobre os Primeiros Socorros possam ajudar na manutenção dos Elos da Sobrevivência!

Compartilhe:

BandForense conclui primeira turma

Chegou ao fim o primeiro ano do Band Forense, curso livre ministrado aos alunos dos 9.os anos, que recria as técnicas do seriado CSI para solucionar crimes. A formatura contou com a presença dos pais e dos professores no anfiteatro do Colégio.

“Fizemos uma avaliação com os alunos, e eles se mostraram bastante maduros, gostaram bastante do curso, mas também deram dicas para que fique ainda melhor. Para o ano que vem, acatar várias das sugestões, como trazer mais vezes um perito que trabalha no campo”, explicou a coordenadora de Tecnologia Educacional e responsável pelo curso, Cristiana Assumpção.

Ao longo do ano foram apresentados cinco casos misteriosos a serem solucionados com bases científicas. Isso incluiu coleta de DNA, digitas e evidências para chegar à resposta certa de quem eram os criminosos. “Foi muito interessante a integração da ciência na atividade. Tivemos aulas teóricas e práticas bem definidas, utilizamos os laboratórios e, para todos os casos que tivemos que solucionar, a parte teórica foi toda aplicada na prática”, contou o aluno José Henrique Ballini.

No dia da formatura, os estudantes participantes encenaram um dos casos resolvidos durante o ano: o de um atropelamento suspeito. “No BandForense aprendemos muita coisa que não teríamos no ano letivo. Muitas ações divertidas, como coletar DNA e digitais. No encerramento pudemos mostrar isso para os nossos pais”, finalizou a aluna Carolina Stampone.

Compartilhe: